Basílica de Santo Apolinário em Classe, Ravena, Emilia Romanha. Autor Berthold Werner

A Basílica de Santo Apolinário em Classe

Questo post è disponibile anche in: Italiano Francês Inglês

A Basílica de Santo Apolinário em Classe está localizada a 5 km do centro de Ravena. A basílica foi construída por Giuliano Argentario sob as ordens do arcebispo Ursicino durante a primeira metade do sexto século d.C.. A consagração da Basílica ocorreu em 9 de maio do oitavo ano após o conselho de Basileia, que foi em 549 d.C..

“Sant’Apollinare in Classe” tem sido descrito como “o exemplo mais impressionante da basílica cristã primitiva”. A igreja é uma das mais belas basílicas de Ravena. Além de sua estrutura arquitetônica, o que a tornou famosa são os seus mosaicos e os túmulos de mármore dos antigos arcebispos. À esquerda da basílica fica uma torre de sino cilíndrica, que remonta ao tempo depois do século IX d.C..

A basílica, que tem 55 metros de comprimento e 30 metros de largura, é majestosa e impressionante. No corpo central da fachada, enquadrada por duas pilastras, é incorporado o narthex, encerrado para a esquerda por um quarto quadrangular com o seu próprio piso superior (torre), que teve a sua contrapartida no lado oposto, mesmo se é perdido desde muito tempo: Vestígios, que no entanto vieram à luz. Mesmo a torre direita é perdida da mesma maneira.

Originalmente a basílica tinha uma aparência ainda mais grandiosa do que hoje. Além da perda da torre direita falta o quadriportico, que foi localizado em frente ao narthex e que de acordo com pesquisas recentes era mais amplo do que a própria basílica, estendendo-se para além dos quartos para o norte e o sul (um quadriportico expandido).

Basílica de Santo Apolinário em Classe, Ravena, Emilia Romanha. Autor Berthold Werner

Basílica de Santo Apolinário em Classe, Ravena, Emilia Romanha. Autor Berthold Werner

A basílica, construída externamente de tijolos (cada um de 4 cm x 48 cm, divididos por uma camada de argamassa de igual espessura), foi construída sobre um antigo cemitério em uso a partir do final do segundo século e até o tempo da construção da basílica (meados do século VI). Nela o primeiro bispo Apolinário foi enterrado num sarcófago localizado a meio caminho ao longo do lado sul da basílica. Nesse ponto há uma inscrição, que data do século VI, que afirma, que a urna de Apolinário foi transferida para o interior da igreja durante o reinado de Maximiano (in hoc loco stetit arca apolenaris sacerdotis et confessoris …).

No interior a igreja é caracterizada por um espaço, que dá a sensação de entrar numa dimensão, que é ao mesmo tempo abstrata e transcendente, impressionante na sua grandeza e majestade. A basílica é dividida em três naves por duas fileiras de doze colunas, todas do mesmo mármore veado grego, nativo do Mar de Mármara, que descansam em dados decorados com uma forma de losango, algo muito comum em Constantinopla e no mundo oriental em geral.

O espaço interior é bem equilibrado: O tamanho da nave central é o dobro das naves colaterais. Além das colunas são dignos de atenção os belos capitais por seus motivos chamados “folhas de acanto movidas pelo vento”, que dão a impressão de que as folhas esculpidas estão inchadas por uma rajada de vento. Entre os arcos e as paredes laterais da nave pode ver retratos cameo do século XVIII, que representam os bispos e arcebispos de Ravena.

Basílica de Santo Apolinário em Classe, Ravena, Emilia Romanha. Autor picdrops

Basílica de Santo Apolinário em Classe, Ravena, Emilia Romanha. Autor picdrops

O plano original era um mosaico de motivos geométricos: Fragmentos dele foram descobertos no final da nave esquerda, no meio da nave central, agora localizados na parede direita da igreja, e no início da nave direita: Nesta última a inscrição comemora ‘Gaudentia’ e ‘Felix’, os nomes de dois benfeitores da igreja, que contribuíram com o seu próprio dinheiro para a colocação do piso.

A opulência do interior deve ter sido amplificado pelo precioso mármore, que cobria as paredes laterais até que foi removido por Sigismondo Pandolfo Malatesta no início do século XV para adornar o templo, que ele construiu em Rimini. Nas paredes laterais havia três portas originalmente. A basílica termina numa abside semicircular, que tem uma forma exterior poligonal, ladeada por dois quartos quadrados, cada um com a sua própria pequena abside poligonal, um uso oriental, que tornou-se parte da tradição de Ravena.

A Basílica de Santo Apolinário em Classe é um Património Mundial da UNESCO.

Texto português corrigido por Dietrich Köster.

About admin

banner